domingo, 7 de julho de 2013

Um post esgroviado...

Já é verão: já temos insónias graças ao calor já vemos os anúncios informativos sobre o sol e os seus perigos. Já tivemos o nosso desacato de verão entre os partidos políticos do momento. A imprensa cor-de-rosa deixou este escandalo para todos os outros meios da imprensa. Mas falta uma coisa que sempre marcou todos os meus verões: os dramas dos incêndios e as idosas (velhas) a choraramingar porque os incêndios podem, um dia, arruinar as suas vidas, possivelmente...

Isto não é para gozar com essas personagens que gostam de fazer número para a televisão mas porque acho estranho: será que há muitas notícias e por isso os incêndios passam para um plano de fundo? Irrita-me o facto do ar estar parado... É tal o calor do ar, que eu não consigo oxigenar o cérebro e por isso vocês ficam com um post esgraviado.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

terça-feira, 2 de julho de 2013

Recuso-me a escrever sobre esta gente...

...tanto os que se intitulam de "governo", tanto os membros eméritos do "governo" ou ainda escrever sobre os membros do "ex-governo". Recuso-me a comentar os vários comportamentos e as várias decisões porque não me apetece fazer um post grande, só por isso. Isso e porque tenho medo de me tornar num "político" visto que para tal basta ter audiencia e mandar umas bocas incisivas.  Gente, só mais uma coisa, interpretem as aspas como deve de ser. Obrigado.
P.S. O Portas usa capachinho?!

segunda-feira, 27 de maio de 2013

O som das ideias

Todos nós conseguimos e temos ideias. Acho que o que é difícil é conseguir ouvi las. Então no que toca a transmitir ideias aos outros. Este poema fala sobre isto, acho que é importante reflectir nisto

clicar no Exercício de escrita #8 para ver o dito poema

sábado, 25 de maio de 2013

Um género de pessoas, não são hipsters, não são hippie-chic, não... Estes são mesmo os fura vidas

Existe um certo tipo de pessoas com quem não simpatizo (para não falar de certas personalidades que odeio) que acho que valem apena o meu comentário (peço desculpa pelas minhas snobeiras mas a blogosfera aceitar tão bem que o desbocado tem 15 anos encheu-me o ego).

Não gosto muito de hipócritas, claro, ninguém gosta deles, mas os que me irritam mais são as pessoas que pretendem ser superiores. Este pretensiosismo moral irrita-me, e não, não estou a falar do Miguel Sousa Tavares e a palhaçada que se anda a passar por aqui. O que eu estou a dizer é que irrita-me as pessoas que se mentalizam que são, por alguma razão, seres superiores. O que me irrita não é o facto de que estes seres se convençam disso, o que me irrita é quando essa gente nos atira esse rótulo imaginário que eles criaram para eles próprios. Calculo que isto não me irrite só a mim...

Pior que isto é que essa gente(zinha) é tão ridiculamente tacanha e ansiosa por subir na consideração dos outros que acaba por descer na consideração de todos. Mas como um gato que acaba de escorregar das nossas mãos essa gente arrepia-se toda quando descem. E o fim é sempre o mesmo: acabam por arranhar (derrubar) quem for preciso para subirem na sociedade. Óbvio que ninguém gosta deles; o problema é identificar quem são eles e... arranjar um meio de evitar muito contacto. Mais importante que isto é nunca ficarmos azedos com isto, quando isso acontece acabamos por nos tornarmos uns fura vidas também...

E assim vos apresento sem mais demoras aos fura vidas que andam por aí espalhados

P.S.Oh não o que é que se passa... eu estou a dar-vos conselhos com uma superioridade mora? Estarei a tornar-me num blogger fura vidas(blogues)? Será isso ou será que vos dei a experiência de lerem um texto escrito como se fosse um texto escrito sobre fura vidas por um fura vidas? 

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Este blogue vai acabar, este é o post de despedida... ou não

Eu, desbocado, autor d'O Comentador tenho 15 anos, comecei este blogue com 14 anos... Ainda hei de visitar os vossos blogues como dantes fazia mas como anónimo ou, quem sabe, outro nome. Espero que tenham gostado, eu sei que eu gostei. Aprendi a gostar de escrever. Não quero mesmo dizer que este blogue acabou, ainda estou à espera das vossas reações mas  calculo que a minha legitimidade como comentador tenha reduzido bastante. Enfim, gostei muito. Adeus, ou, talvez, até já.

P.S.Obrigado a todos os bloggers que foram aqui comentadores ou/e que me "receitaram" nos seus blogues. Espero que isto não vos choque :)

Espero que queiram que eu continue. Agradeço imenso a vossa opinião :)
Obrigado a todas as pessoas que me deram uma idade intelectual muito elevada, by the way... :)

segunda-feira, 13 de maio de 2013

Segundo todos vocês tenho 34.4 anos....?

Ninguém acertou na minha idade...
pelos vistos vão ter de me continuar a ler me para perceberem :)

domingo, 12 de maio de 2013

Quantos anos me dão?

Que idade tenho eu? 
O que pensam? 
Decidi revelar-vos a minha idade e voltar à actividade blogosférica.
A partir dos meus posts e da minha escrita respondam-me:

Que idade tem o DESBOCADO?




P.S. Haverá um prémio para quem adivinhar ;)

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Os comentadores políticos

Engraçado que todos os comentadores políticos são ou políticos, ou cómicos, ou bloggers. Eu não quereria comentar política abertamente, até porque acredito que uma pessoa pode mudar de opinião relativamente a ideologias partidárias. Isto porque as ideologias partidárias vão mudando com o tempo (algumas) mas os valores morais de uma pessoa não (em teoria, num mundo utópico).

Os bloggers têm um local onde podem exprimir livremente a sua opinião, até de forma anónima, que se não interessarem ao leitor ele apenas necessita de fechar o browser. Um blogger normalmente dá a sua opinião sem estar sujeita a nada: não existem pressões da partes dos partidos, não existem muitas repercursões na vida de um blogger que comente política

Os comentadores políticos que são políticos profissionais são escolhidos porque podem actuar, intervir mais directamente. Viveram muito próximamente de eventos políticos marcantes, ou interviram em algo ou fizeram  alguma coisa como é caso de muitos....

Os comediantes são excelentes comentadores políticos porque possuem  para além de uma inteligencia elevada o sentido de humor que caracteriza a nossa política. É uma palhaçada. Para além de ser ridiculamente hilariante esses palhaços também nos atiram "tartes" (leiam-se taxas ou impostos ou o que quiserem) para o esptáculo continuar. Depois existem políticos mais sofisticados que mandam piadas mais sofisticadas, tal como alguns comediantes. Existe o sarcasmo, técnica letal de humor e política. A ironia que é um meio de "tortura" humorística e também política. Não digo que devíamos ouvir as opiniões políticas dos nossos comediantes, não insinuo que sou anarquista, não digo que sou contra ou a favor deste governo, digo apenas que os comediantes possuem as mesmas armas que os políticos mas possuem outro poder, que não é o de governar. é pena porque são quase iguais excepto que com comediantes a governar eles iriam conseguir executar cortes necessários e ainda nos deixar a rir e não a chorar. E com as mesmas técnicas!

Com esta calo-me

P.S.- Porque raio é que os comentários começam com a assinatura do comentador?! Chega a ser "parolo" mais do que já é....

domingo, 28 de abril de 2013

Aquele momento estranho... #31



Quando estás a falar com duas pessoas, que constituem um casal, e do nada começam a trocar olhares enquanto tu falas (sendo obviamente mal educados).

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Habemus Ministrum, romanum style (são dois cônsules)

Não os conheço, espro o melhor porque não quero imaginar coisas más. Acho piada que todos os outros partidos querem brincar ao querido mudei o governo. Olhem que isso é inconstitucional, e é injusto e em último recurso "grandola vila loira..." (para alimentar o estereotipo). Se não ficaram convencidos lembro-vos que existem ovelhas que dão lã, e que existem muitas cabras e vacas por aí que se calhar faziam um trabalho muito competente visto que tem um feitio mais... temperado. Os nossos novos cônsules que substituem o Relvas.

Mas porquê eu?
Não prometo não fazer nada e não prometo qualquer coisa
mas garanto-vos uma coisa: que faço parte de um governo
só não sei se é activo ou passivo. Mas não faz mal
poque ninguém sabe.

Resumindo:
Habemus Minustrum(s)
em latim correcto não sei se existe a palavra ministrum, se existe o plural correcto desta é ministra ou minstres. Por razões fonéticas o plural foi aldrabado.

terça-feira, 9 de abril de 2013

A Teoria Universal* dos Cortes

* no universo paralelo que é este blogue

Hoje cortei o cabelo. Ficou bem? Como é que ficou? Ficou curto. Nunca gostei de cortar o cabelo. Talvez por ser homens visto que faz parte do estereotipo que as mulheres é que gostam de ter o cabelo arranjado e eu não conheço neste campo mais do que o estereotipo.

Desde pequeno que me lembro de não querer cortar o cabelo. Eu não sou frenético mas há algo de constrangedor, inquietante quase sufocante em ficar parado numa cadeira com os silvos das tesouras a zumbir constantemente ameaçanda a integridade física das minhas tão adoradas orelhas.

Depois como sou teimoso, vá, persistente e obstinado, por vezes também obstipado (isso já aconteceu a todos nós pelo menos uma vez). Hoje descobri que só se pode cortar o cabelo (impostos não) a partir das 16 horas porque antes disso corre-se o risco de parar a digestão (no fundo é quase igual a fazer qualquer tipos de cortes). Mas se não se lavar a cabeça qual é o mal? Não cai bem a seguir ao almoço... Make-overs totais quer de imagem, quer de pensamentos ou de qualquer outra coisa só devem ser feitas quando o estomago não tem conteúdo.

Resumindo e concluíndo, tenho um novo aspecto, já fui "à tosquia" mas sempre com muito (razoável, para não me armar em bom) estilo. Não gosto de cortar o cabelo e não entendo como possa alguém gostar visto que fico a deitar pêlo da cabeça sempre que mexo na cabeça. As mulheres que ficam durante muito tempo no cabeleireiro devem ser masoquistas. "Sofrer para ser bonita" Ou ser bonita para sofrer? Mesmo que queiram ser muito bonitas (no cabelo) não entendo tamanho sacrifício. Se me quiserem torturar obriguem-me a cortar o cabelo. Não porque gosto do meu cabelo mas porque não gosto de o cortar... Mais uma mania do Desbocado.

domingo, 7 de abril de 2013

Sócrates, crise e comentários. Um título apelativo que aparecerá muito facilmente no Google

Porque para ser comentador neste país é apenas necessário ter alguma ligação com a indústria farmacêutica, como eu tomo complexos vitaminicos sinto-me na obrigação de também voltar a opinar. Até porque agora há muita coisa para comentar. Se os gregos tinham Sócrates e estão como tão:
E nós temos este que voltou para ficar:

Como vamos nós ficar?
Com os comentários do Comentador!!!
I'm back! 

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

"I saw your boobs" e a minha falta de paciência

Estou aqui há horas a tentar escrever sem conseguir, se não escrevo todos os dias começo a ficar empenado.

Os oscars foram dos melhores, parece-me: Houve um escandalo que envolveu uma pipoca grávida(risos), Algumas atrizes giras apareceram, o espetáculo foi do melhor. Os prémios foram corretamente atribuídos, embora eu goste mais da atriz de 9 anos do que a de 24 anos que ganhou o óscar... Adorei esta parte dos Oscars porque retrata bem o que muitas fazem para subir na carreira:



Neste momento este post deveria assumir uma forma mais intlectual, mais consistente mas depois de ver este filme não consigo. Amanhã escrevo algo de jeito.
Para acabar que nem um Italo Calvino:
Vocês ficaram com um belíssimo post e eu continuo aqui não estando contente...
Vamos fingir que a frase acima ficou bem... Por favor?
Queria também pedir a todos vocês que me leêm e gostam que respondam ao quiz no lado direito. Obrigado, até ao próximo post

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Aquele momento estranho...#30

Quando todas as pessoas estão a falar, e tu também, e de repente todos se calam mas tu continuas a falar...

Rotinas

Não gosto de rotinas. Não gosto de eventos e de ações metódicas. Irrita-me, por exemplo, todas as manhãs ter de tomar banho, comer o pequeno almoço e dirigir-me (quase sempre) ao mesmo sítio do costume. O que me irrita não é o facto de fazer sempre as mesmas coisas, o que me irrita é só fazer as mesmas coisas. Podem então sugerir algo como: "Então muda a rotina" ou "Então não tenhas uma rotina". Poderia fazer isto o problema é que livrar-me da rotina tornar-se ia numa rotina em si.

No entanto existem certas coisas em que gosto de ser rotineiro, nos restaurantes, nos gostos, nos pnsamentos, nos livros. Em tudo o resto dispenso rotinas. Dispenso... Não dispenso, gostava de dispensar, mas quem não gostava? Gostava de experimentar coisas novas.

As rotinas são, no entanto, pouco rotineiras. Embora uma rotina seja por definição uma repetição sucessiva de eventos muitas vezes são polvilhadas de imprevistos, precalços, que a meu ver tornam as rotinas ainda mais cansativas de cumprir. Preciso (precisamos) de rotinas para menter um equílibrio, para ter estabilidade. Mas eu não gosto de estabilidade, não, recuso-me. A estabilidade sabe-me bem mas gostava que fosse instávelmente estável. Gostava de por vezes passar-me da cabeça.

Mas de volta às rotinas (que este texto já se tornou numa rotina). No mundo existem imensas rotinas diferentes, pessoas diferentes. Cada um cumpre o seu "ritual" diário. Mas estes podem ser tão diferentes, dependendo do estilo de vida praticado por cada um. Mas no final a repetição, a rotina, cansa-me, desgasta-me, e eu resigno-me e vivo na rotina (com umas leves e ténues variantes)?

Gostam de rotinas?